:: APRESENTAÇÃO
 
»O modelo de escrita praticado na web e as formas de comunicação possíveis são sem dúvida diferentes de qualquer outro meio. Actualmente vivemos ainda um período de adaptação em que ainda “aprendemos” a comunicar na web. Este blog tem como objectivo abordar as questões relacionadas com as formas de comunicação e as novas tecnologias e modelos que vão surgindo e permitindo uma evolução e actualização da webcomunicação.
  :: MEMBROS
 
»João Simão
»Elsa Alves
»João Pedro Pereira
»Aleta Dreves
»Paulo Querido
  :: DESTAQUES
     
[MAR'07] II Jornadas Internacionais de Jornalismo, organizadas pelo Centro de Estudos da Comunicação da Universidade Fernando Pessoa e subordinadas ao tema genérico "Porquê Estudar o Jornalismo?".
» SAIBA MAIS AQUI
  :: ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
   
  :: ÚLTIMOS ARTIGOS
»Novas tecnologias, novas linguagens...
»Google... será verdade????
»Prontuário, Dicionário, Gramática, Professor de li...
»www.comunitatis.ubi.pt
»NOVIDADES - 3º Encontro de Weblogs
»"Sites MySpace e Bebo podem ser perigosos"
»EMPREGO PARA BLOGGERS
»www.newspapers24.com
»Google fornece uma hemeroteca...
»Audiências medidas também on-line
 
  :: LINKS
 
 
  :: LIVROS
  :: ARQUIVOS
  » Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
artigos actuais
 
  :: FERRAMENTAS

» RSS
» PODCAST

 

» Canais de RSS
» Canais de PODCAST
» Blogger
» Biblioteca de Artigos

on-line | visitantes

  :: E-MAIL
 
 

terça-feira, maio 30, 2006

Media tradicional VS Bloggers



[DICA: PONTO MEDIA - Circula em vários blogs]



Um pouco de humor sobre um assunto cada vez mais actual.


segunda-feira, maio 29, 2006

WEB 2.0 OU O ERRO DO “VELHO DO RESTELO”



A figura que Camões imortalizou nos “Lusíadas” representa todas as vozes que se levantam contra o progresso enfatizando os seus perigos. Com a web não foi diferente e muitos no passado e ainda hoje vêm-na como algo muito mau que faz com que quem a use deixe de ter vida e se dedique apenas ao virtual. Estava assim posta em perigo a sociabilidade.

A designação de Web 2.0 não é inocente e segue toda a terminologia usada para actualizações (update) e evoluções (upgrade) de programas informáticos. Quer isto dizer que a web 2.0 trata-se de uma evolução da web 1.0. Convém então ver o que é a web 2.0, e qual a evolução que o uso da Internet teve. Se os “Velhos do Restelo” tinham razão ou se pelo contrário estavam enganados.

Uma das principais e primeiras características da “Nova Web” ou Web 2.0 é o facto de que os usuários produzem conteúdo. A mudança que os blogs introduziram foi mais profunda do que há primeira vista possa parecer. Até então a produção de conteúdo na web está reservada a uns poucos que dominavam as ferramentas necessárias de criação e actualização de uma página. Assim a maior fatia dos webnautas tinha o papel passivo de consumir conteúdo e informação. Os blogs e mais tarde a tecnologia Wiki vieram permitir uma maior democratização da web no que se refere à produção de conteúdo.

Uma maior facilidade de produzir conteúdo e de o colocar on-line gerou várias alterações:

  1. A primeira foi a capacidade critica e activa das pessoas que agora têm nos blogs a sua forma de comunicar para o mundo. Havendo como consequência mais leitura e um espírito mais critico em lugar da passividade que a falta de uma relação dialógica provocava.
  2. Criação de comunidades baseadas não na proximidade física mas nos interesses comuns. A facilidade de publicar originou comunidades que se juntam em torno de um interesse ou tema comum o que leva depois à existência de relações interpessoais que fortalecem o sentido de comunidade.
  3. Quantas mais pessoas envolvidas na produção de conteúdo de um site, seja ele blog ou Wiki, maior é qualidade do serviço. Quantos mais membros maior é a actualização, a actualidade, a confirmação e validação dos conteúdos. Quase por relação directa maiores são também o números de webnautas a visitar a página, que em certos casos, também eles mesmo não sendo membros podem sugerir e/ou enviar informação e conteúdos.

Desta forma com a facilidade de acesso à produção de conteúdo este ganha uma maior importância. De tal forma que se liberta da sua plataforma inicial e se disponibiliza em diferentes plataformas. O exemplo mais fácil de perceber é o funcionamento dos feeds de RSS. Através dos feeds RSS o conteúdo dos blogs, por exemplo, pode ser usado em agregadores ou noutros blogs. O mesmo se passa com outro tipo de conteúdos que pode ser misturado e aproveitado para diferentes tipos de plataformas.

Há ainda a registar uma nova forma de classificação da informação. Se no nosso disco rígido organizamos a informação dentro de pastas e sub-pastas, ou seja, segundo categorias e sub categorias (taxsonomia) a Web 2.0 permite uma classificação menos linear e mais semelhante ao nosso pensamento. Através de tags que podemos traduzir por palavras-chave ou etiquetas, podemos colocar um link em mais que uma categoria simultaneamente (tagsonomia).

Outra das grandes inovações da Web 2.0 trata-se de ser possível aceder e usar aplicações on-line criando ambientes mais semelhantes ao ambiente de trabalho. Desta forma torna-se mais simples utilizar sites que requerem do utilizador a tarefa de preencher e actualizar a sua própria informação.

Esta simplicidade e rapidez potenciaram o surgir das redes sociais. As redes sociais são sites apoiados em bases de dados que permitem manter informação sobre cada pessoa actualizada pelo próprio. Permitem ainda ligações entre conhecidos e amigos virtuais ou reais. A utilidade que os utilizadores lhe reconhecem passa pelo juntar amigos separados pela distância. Manter o contacto, mostrar o que de novo se passa, e conhecer pessoas novas.

Um perfil completo numa rede social é um pouco a identidade de cada um. Coloca à disposição de todos imagens suas, os seus interesses, os desejos, etc. As medias de segurança são definidas pelos utilizadores que apenas disponibilizam os sues contactos se assim o desejarem. As formas de contactos promovidas pelos sites são seguras podendo apenas ser acedidas directamente na base de dados. Para os utilizadores destas plataformas elas são formas de extensão para a web das suas redes de amizades podendo assim manter o contacto com todos os amigos.

Ao contrário do que os “Velhos do Restelo” vaticinavam a web segue um rumo em que une cada vez mais as pessoas e as matem mais em contacto. Estar on-line hoje significa estar contactável. A web funciona assim como uma extensão da vida real e não como um mundo a parte completamente virtual.




COMUNICAÇÃO CIDADANIA E PROXIMIDADE



Agências Noticiosas + Blogs + Jornalismo do Cidadão.

A Technorati abrir link numa nova janela e a AP abrir link numa nova janela (Associated Press) juntaram-se para que os blogs passem também a ser uma fonte de informação para todos os jornais que usam a AP como fonte de informação.

O interessante nesta junção é o relevo que se já se atribui ao blogs e ao jornalismo cívico. Se bem que, pessoalmente, não acredito tratar-se de um verdadeiro jornalismo é uma importante fonte de informação que aproxima o cidadão da informação e do poder de a divulgar.

Peter Hirshberg apresenta no site da Technorati abrir link numa nova janela a parceria deixando a mensagem de que acredita que: «que esta é uma validação profunda do poder de meios do cidadão e como cada pessoa está ganhando mais poder - poder de ter as suas opiniões e pensamentos, e que estes sejam ouvidos num processo verdadeiramente democrático.»

Como este tema se insere directamente no tema do projecto PROXIMEDIA abrir link numa nova janela aguardo um comentário do Prof. João Carlos Correia.


WEB SOCIAL reflexo da WEB 2.0



Preparo um texto mais extenso sobre a WEB 2.0 e o papel dos blogs e do webjornalismo. Mas surgiu este tema recentemente em conversas sobre a web. Actualmente a web deixou de ser apenas uma fonte de informação mas é sim uma fonte de ligações. O conhecimento está ligado e interligado com recurso a bases de dados. E estar on-line significa mais hoje do que ter acesso a informação. Significa estar contactável. As redes sociais como o HI5 ou a NETJOVENS permitem ter uma identidade on-line. Estar contactável para os amigos, para os conhecidos e mesmo de forma algo segura conhecer gente nova com interesses comuns.

Estar on-line, estar sentado frente a um computador com net não significa estar aliado do mundo mas o contrário. Permite contactar com os amigos depois da escola, trocar os TPC, estudar, partilhar fotos ou ideias nos blogs ou fotologs ou mesmo nas muitas redes sociais. Significa chamadas de voz grátis por vox ip através do Skyp ou mesmo do MSN.

A web social permite não estar alienado do mundo mas sim cada vez mais contactável.


terça-feira, maio 23, 2006

Creative Commons



Minha primeira participação aqui no WebCom e gostaria de deixar alguns links para o entendimento melhor da Creative Commons. Muitos se perguntam o que é Creative Commons? Respondo. É uma licença que permite o compartilhamento de textos, músicas, entre outros, sem infringir a questão do direito autoral de cada obra.

"Atribuição-Compartilhamento pela mesma licença 2.5 Brasil - Você pode: copiar, distribuir, exibir e executar a obra criar obras derivadas fazer uso comercial da obra ... "

Para saber mais, assista aos vídeos abaixo:

Seja Criativo

Reticulum Rex

Além dos vídeos para saber mais, clique ao final da página ao lado esquerdo onde diz Creative Commons.

E isso aí!


quinta-feira, maio 18, 2006

JornalismoPortoNet: O futuro do jornalismo de precis�o



JornalismoPortoNet: O futuro do jornalismo de precisão: "Novas especializações em jornalismo ao serviço do interesse público e do futuro dos profissionais."

A conferência, organizada pelo professor de jornalismo Jorge Marinho, contou com a presença de Fermín Galindo, académico da Faculdade de Ciências da Comunicação da Universidade de Santiago de Compostela (USC). Ambos discutiram a pertinência da inclusão do jornalismo de precisão como disciplina das licenciaturas portuguesas.


A notícia é dada pelo JornalismoPortoNet. O tema promete alguma discussão nos próximos tempos.


terça-feira, maio 16, 2006

Webjornalismo nos jornais on-line portugueses [ANÁLISE]



[NOTA: Para consultar todo o estudo deve baixar o PDF aqui está apenas uma parte resumida com o essêncial]

O webjornalismo e o jornalismo on-line são coisas diferentes. No webjornalismo espera-se que o jornalismo faça uso das potencialidades do meio. Usando para isso ferramentas interactivas, inserindo elementos multimédia na construção da noticia, potenciando uma eficaz distribuição e tendo em conta a comunidade. Foram exactamente estes os elementos que foram tidos em conta em 11 jornais portugueses a funcionar na web.

ELEMENTOS EM AVALIAÇÃO

Os diferentes elementos foram divididos em quatro grupos distintos. Assim foi tida em conta a Interactividade, a presença de Elementos Multimédia, as formas de Distribuição, e a potencialidade de Comunidade.

RESULTADOS

Pelo modelo de avaliação utilizado a pontuação máxima atingia os 63 pontos.

32 pontos Portugal Diário
27 pontos Mais Futebol
23 pontos PÚBLICO.PT
23 pontos TSF
19 pontos Diário Digital
16 pontos RR
16 pontos JN
15 pontos Diário Económico
14 pontos DN
13 pontos Expresso on-line

10 pontos Visão on-line

Os dois jornais mais cotados são jornais que funcionam especificamente on-line, no entanto tal não é condição necessária pois na lista o jornal Diário Digital ficou atrás do PÚBLICO.PT e da TSF.

PORTUGAL DIÁRIO

Apresenta um bom desempenho na rubrica da interactividade descurando apenas os inquéritos. Quanto aos elementos multimédia é o único a apresentar vídeo que no entanto funciona suportado pelo Real One, obrigando assim ao download do programa. Actualmente a melhor opção para reprodução de vídeo passa por um ficheiro em FLV com leitor em flash integrado na página. É ainda o único a apresentar fotos que não apenas como uma pequena ilustração da notícia. Na distribuição tem um Feed de RSS genérico e não tem Podcast. Na rubrica comunidade embora não possua membros efectivos disponibiliza um chat e incentiva à participação dos leitores.

MAIS FUTEBOL

Tal como o Portugal Diário apresenta um bom desempenho na rubrica interactividade, embora tenha inquéritos não apresenta qualquer tipo de contacto directo com os jornalistas. Quanto aos elementos multimédia apenas se destaque o sistema de jogos em directo. O Feed RSS também é genérico. Na rubrica comunidade destaque-se também a presença de um chat.

PÚBLICO.PT

O portal do jornal Público apresenta bons resultado na primeira rubrica descurando apenas a presença de fóruns. Recolhe pontuação máxima no contacto com o jornal e jornalistas através de caixas de formulário. Nos elementos multimédia é apenas habitual a presença de uma imagens como ilustração da notícia, havendo por vezes infografia nos dossiers. O PÚBLICO.PT apresenta todas as suas secções divididas em diferentes Feeds de RSS o que por isso lhe conferiu pontuação máxima neste elemento. Na rubrica comunidade o jornal apenas fomenta a participação muito tímida através duma opção nas caixas de formulário. O PÚBLICO.PT foi ainda penalizado neste rubrica por ter páginas de acesso restrito mediante pagamento.

CONCLUSÃO

Ainda há muito a fazer no webjornalismo em Portugal, no entanto começam-se a dar passos importantes e a ter em conta alguns elementos essenciais. Para todos os jornais analisados a interactividade era tida em conta, algo que se nota tem vindo a progredir nos últimos anos.


»
TABELA DE AVALIAÇÃO

»
ESTUDO COMPLETO [PDF]


Potencial de interacção: comparativo de sites noticiosos portugueses



Em 1998, um investigador chamado Tanjev Schultz analisou em 100 sites de jornais norte-americanos os elementos de interacção postos à disposição do público. Por elementos de interacção entenda-se dispositivos nos sites que permitam ao público expressar opinião, seja essa opinião dirigida aos jornalistas do órgão ou a outros elementos do público. Não se trata, portanto, de uma “interacção” no sentido que assume, por exemplo, em “infografias interactivas”.

Schultz usou uma tabela que atribuia a cada elemento - espaços de comentários aos artigos, e-mails de jornalistas, etc - uma determinada pontuação. Como não podia deixar de ser (1998 é mesmo no século passado no que à Web diz respeito), a tabela está desactualizada.

Há algum tempo usei a tabela de Schultz e modernizei-a, acrescentando novos elementos que entretanto surgiram no panorama dos modernos sites noticiosos. Hoje, resolvi aplicar essa tabela à análise de nove sites noticiosos portugueses:

Publico.pt
DN.pt
Diário Digital
TSF Online
Visão Online
Portugal Diário
Diário Económico
Expresso Online
Mais Futebol

Quem estiver interessado na metodologia desta análise, pode obter aqui toda a informação sobre o processo, incluindo o documento XLS que usei para determinar as classificações.

Antes de passarmos às conclusões, uma importante ressalva: estes dados indicam o potencial de interacção dos sites em questão. O que não significa que os melhor classificados sejam necessariamente aqueles em que o público é mais participativo. Factores como a audiência do site, nuances de design e o empenho (ou falta dele) dos jornalistas em manter os seus sites como espaços activos de discussão são relevantes para o sucesso de um site neste patamar; tanto que um único dispositivo de interacção (como os comentários aos artigos, por exemplo) pode, se bem gerido, tornar um site mais apelativo à participação do que a acumulação de dispositivos menos convidativos ou mal geridos.

As conclusões

- O Portugal Diário é o site com mais potencial de interacção: disponibiliza o e-mail de cada jornalista (junto ao título do artigo e na ficha técnica) e modera os comentários nos fóruns e nos artigos. Seguem-se o Mais Futebol e o Publico.pt

- O Dn.pt e a Visão Online ficaram no fundo da tabela. Curiosamente, a Visão Online tem uma página onde apela à participação do leitor e anuncia espaços que não consegui encontrar no site.

- O Portugal Diário, o Publico, o Diário Digital e a TSF Online disponibilizam um e-mail/formulário de contacto para todos os jornalistas.

- Dos sites que apresentam possibilidade de comentários aos artigos, o Expresso Online é o único onde não existe mediação, sendo os comentários publicados instantaneamente. No Publico.pt, os comentários dos assinantes também não são alvo de leitura prévia.

Classificação
MÁXIMO POSSÍVEL: 20 pontos
Portugal Diário: 15
Mais Futebol: 13
Publico.pt: 11
Diário Económico: 7
Expresso Online: 7
Diário Digital: 7
TSF Online: 4
Visão Online: 3
DN.pt: 3

Nota: Sites como o Mais Futebol e o Portugal Diário apresentam possibilidade de chat, o que (no caso do segundo) aumentou a pontuação obtida. Esta funcionalidade, contudo, parece estar muito longe de ter receptividade junto do público.

Post original em Engrenagem - Media & Tecnologia


Webjornalismo nos jornais on-line portugueses



Há diferenças entre um jornal on-line e um webjornal. Não basta estar na web para ser um webjornal. Este estudo analisa vários elementos característicos num webjornal e a sua presença ou não em 11 jornais on-line portugueses.

Ainda esta semana o webcom publicará o estudo na integra. O jornal mais cotado nesta análise foi o Portugal Diário com 32 pontos em 63 possiveis. O menos cotado foi a Visão on-line com 10 pontos.

Jornais analisados:

PÚBLICO.PT
DN
JN
TSF
RR
Portugal Diário
Mais Futebol
Diário Económico
Expresso on-line
Diário Digital
Visão on-line


3º Encontro Nacional sobre Weblogs com novas datas



O 3º Encontro Nacional sobre Weblogs e 1º Encontro Luso-Galaico sobre Weblogs procura juntar investigadores, utilizadores e interessados em weblogs em Portugal e na Galiza. Este encontro tem como principal objectivo contribuir para a exploração deste tema e fomentar o desenvolvimento de uma comunidade de reflexão e investigação transdisciplinar nesta área.


Novas Datas

Submissão de Resumos Alargados: 15 de Junho
Notificação aos Autores: 15 de Julho
Submissão da Comunicação Final e Inscrição: 1 de Setembro

Mais informações em: www.icicom.up.pt/3encontro


Um estudo sobre o Google News



A função de gatekeaper e de editor de secção num jornal no google news é feita por crawlers (micro-robôs) no entanto segundo Carlos Castilho do blog Código Aberto abrir link numa nova janela os destaques noticiosos parecem não variar muito dos jornais em cuja a função de selecção é feita por jornalistas (humanos).

Esta é uma das conclusões do estudo deste jornalista brasileiro que durante uma semana fez uma monitorização e análise do noticiário do google news em português. No estudo que pode ser lido na integra no blog Código Aberto há ainda a destacar outra conclusão. A actualização das noticias via web e a sua fácil reprodução é uma das responsáveis pela decadência das agencias noticiosas tendendo esta informação a ser gratuita, no entanto torna-se cada vez mais valorizada a informação contextualizada, sendo segundo o Carlos Castilho esta uma “tendência que poderá ser a salvação de muitos jornais”.

» Estudo completo abrir link numa nova janela


quinta-feira, maio 11, 2006

Blogs do PÚBLICO



São já nove os blogs que o jornal públicoabrir link numa nova janela tem entre os convidados, os ad hoc e os permanentes.

Ontem foram criados dois novos blogs que iniciaram a secção ad hoc, “Maternidades”abrir link numa nova janela e “Caso Afinsa”abrir link numa nova janela, estes dois blogs «Ad Hoc do PUBLICO.PT são blogs criados com o objectivo específico de acompanhar um dado tópico da actualidade.» segundo noticia o PÚBLICO.PTabrir link numa nova janela.

A mesma fonte abrir link numa nova janela explica ainda que estes blogs «são, em geral blogs de vida curta, devendo manter-se em actividade enquanto se mantiver o interesse do tópico em questão. Quando esse interesse se desvanece, estes blogs poderão ser apagados ou manter-se acessíveis on-line, mas desactivados (sem permitir a publicação de posts).»abrir link numa nova janela

Isto levanta uma outra questão; O que faz o jornal PÚBLICO.PT recorrer a blogs para tratar estes temas? Poder-se-ia pensar na possibilidade de comentário por parte dos leitores, mas é possível comentar nas próprias notícias. Fica então a questão à espera de uma resposta de José Victor Malheiros já enviada por e-mail.

No entanto dois reparos em jeito de sugestão aos blogs Ad Hoc:

1 » Os artigos do blog não são assinados por ninguém;

2 » Embora o link para comentários tenho sido alterado usando o mesmo sistema que o WEBCOM a data e os arquivos ainda se encontram por traduzir, uma passagem rápida nas definições do blog e resolve-se o problema.


quarta-feira, maio 10, 2006

SHiFT - Social and Human Ideas For Tecnology




A SHiFT abrir link numa nova janela pretende reunir pessoas inovadoras em tecnologia, pessoas com diferentes experiências de vida, conhecimentos e habilitações académicas, para debater a forma como a tecnologia pode influenciar a nossa vida quotidiana.

A ideia central desta conferência é partilhar ideias e experiências entre pessoas apaixonadas por tecnologia, num ambiente informal e descontraído.

Até agora tem data marcada para Setembro de 2006. O WEBCOM vai continuar a acompanhar os desenvolvimentos destas interessantes conferências.


» SHIFT abrir link numa nova janela

» LISBOMlab abrir link numa nova janela


"A nova aventura electrónica de Gutenberg"



Durante três meses, 200 subscritores do diário económico belga “de Tijd”, vão passar a ler as notícias exclusivamente num formato electrónico. E não estamos a falar de Internet. As novidades diárias vão ver a luz do dia em papel electrónico (e-Ink). Sim, é isso mesmo que está a pensar. Tratam-se de folhas da grossura de uma folha normal, mas que são nada mais nada menos que um ecrã. E o “de Tijd” será o primeiro jornal do mundo a proporcionar esta nova aventura tecnológica aos seus leitores, graças a um protótipo desenvolvido pela IREX, uma empresa satélite da holandesa Philips, que investiga esta tecnologia desde 2004.

FONTE: GADGET DILO abrir link numa nova janela

O futuro passa por aqui ou antes pela Internet e pelos dispositivos portáteis com WI-FI tais como as PDA ou o ORIGAMI?


Leitores de jornais on-line aumentam nos EUA



Apesar do contínuo declínio na circulação dos jornais diários em versão papel, os dados divulgados pela Associação de Jornais Diários norte-americana (NAA na sua sigla inglesa), referentes ao primeiro trimestre, mostram que o número de visitantes das versões online desses mesmos jornais está a aumentar de dia para dia.
FONTE: PÚBLICO abrir link numa nova janela

O artigo problematiza ainda as questões das receitas publicitárias de ambos os suportes. Sem duvida que este aumento de leitores na web não é um fenómeno passageiro. Há que ter isso em conta e começar por optimizar as receitas publicitárias na web para que as redacções on-line tenho mais e melhores condições para trabalhar e praticar uma escrita mais vocacionada para o meio com mais elementos multimédia.


"Falar Global" 15 minutos sobre TIC'S



As novas Tecnologias de Informação e Conhecimento (TIC) vão ser a temática do novo programa da SIC Notícias, intitulado "Falar Global".
Com início previsto para 14 de Maio, o programa será exibido nas madrugadas de sábado para domingo, entre a uma hora e a 1.30, com apenas 15 minutos de duração
.
Ao longo de 13 episódios, o novo conteúdo analisará as transformações que as TIC provocam na nossa sociedade, sob vários ângulos, desde os efeitos na literatura, à segurança, ao cinema, ao jornalismo e à própria qualidade de vida das pessoas.

FONTE: Jornal de Notícias abrir link numa nova janela




terça-feira, maio 09, 2006

WEBCOM - Com destaques na pesquisa do Google



Ajudar na pesquisa. É essa a nova função introduzida neste blog embora invisível desta forma torna-se útil para quem chega a este blog através da pesquisa do Google. Ao pesquisar no Google o webnauta entra no WEBCOM onde as palavras da sua pesquisa estão sublinhadas com diferentes cores para o ajudar a localizar mais rapidamente os termos da sua pesquisa dentro dos vários artigos.


WEB 2.0 - Onde usar e onde não usar AJAX



Um pouco extenso para leitura no monitor, mas vale a pena esse esforço, podendo sempre imprimir e ler em papel.

O artigoabrir link numa nova janela é uma tradução de Vanessa Schissato do original de Alex Bosworth. Fala-nos de sítios onde usar linguagem mais popular da WEB 2.0, o AJAX.
Deixo apenas a título de exemplo um lugar onde se deve usar:

»Interacções levadas por formulários

Formulários são lentos. Muito lentos. Editando um texto num bookmark do del.icio.us? Clique sobre o link de editar para carregar a página do formulário de edição do bookmark, então edite o campo e então submeta para esperar que a submissão vá, então retorne para a página anterior e role para baixo para encontrar o bookmark e ver se o texto ficou certo. Ajax? Clique no link de editar para instantaneamente começar a mudar o texto, clique no botão submit para enviar assincronamente as mudanças e rapidamente ver no lugar em que elas mudaram, sem recarregar a página inteira.

... e um sitio onde não usar:

»Formulários simples

Apesar dos formulários serem simplesmente os grandes beneficiados da "Ajaxiação", um simples formulário de comentários, ou formulário de envio de regras, ou outro formulário raramente usado não se beneficia das submissões dirigidas do Ajax. Geralmente, se um formulário não é muito usado, ou se é necessário trabalhar de forma simples, Ajax não é útil.



» Podem ver aquiabrir link numa nova janela a tradução que apresenta 6 sítios onde usar AJAX e outros 6 onde não usar.

» Há ainda uma página wikiabrir link numa nova janela em inglês onde podem encontrar mais algumas sugestões para além destas 12.


segunda-feira, maio 08, 2006

"Jornais online em Portugal esperam por investimento"



{As edições online de jornais em Portugal irromperam na década de noventa e dispararam aproveitando o impulso do boom da net à escala mundial. Mas, passada a euforia, o jornalismo online português, que já leva uma década, continua a não conseguir atrair investimento. E vive uma espécie de crise de adolescência, à espera de um novo disparo que lhe permita crescer.}
FONTE: PÚBLICO
O jornal PÚBLICO apresenta hoje um artigo onde faz um balanço do jornalismo on-line em portugal nos últimos 1o anos. Algumas das sugestões que são dadas ai longo do artigo assinado por Ana Machado coincidem com as propostas do WEBCOM:

{Os jornais tentam reinventar o jornalismo para cativar novos leitores, virando-se para os suportes multimédia.

[...]
Para José Vitor Malheiros, a falta de investimento e o conservadorismo das empresas e dos jornalistas não deixam que ocorra um salto qualitativo no jornalismo digital: "Tem havido melhorias mas muito lentas. As equipas são pequenas, mal pagas e há uma cultura de contenção de custos. Mas os leitores que estamos a ganhar estão no online. É muito fácil ver onde está o futuro".}
FONTE: PÚBLICO


PONTO Media, um blog do Público



A informação vem do próprio Ponto Media:

O PONTO Media passa a integrar uma rede de blogues convidados do Público. A única mudança assinalável é o novo cabeçalho…

Ainda não se encontra disponivel no site do jornal, mas vamos esperar para ver se as alterações se limitarão ao cabeçalho.


Comunidade de futebol



No Joga.com o Google e a Nike juntaram o que sabem fazer melhor para promover uma comunidade online centrada no Futebol. O site exige que o utilizador tenha uma conta do Google, seja do Gmail, dos Grupos do Google, Alertas ou Froogle, mas dá também a possibilidade de criar uma no momento.

Conhecer outros fãs de futebol, criar jogos e clubes e ter acesso aos atletas da Nike, assim como a material multimédia que pode ser usado para "artilhar" a imagem do seu computador, são algumas das possibilidades do Joga.com. A discussão sobre o tema está sempre presente, mas o lema é "joga bonito", até online.


» Joga.com



FONTE: SAPO TEK


sexta-feira, maio 05, 2006

Ambiente de Trabalho virtual



Imagine-se com um computador onde apenas possuía uma borwser e uma ligação à Internet. Imagine agora que podia ter o seu próprio ambiente de trabalho on-line. Onde tinha um editor de texto, uma folha de calculo, onde podia mesmo fazer apresentação de slides. Até onde podia criar bases de dados ou editar uma imagem. Podia aceder ao um Messenger e conversar com os seus contactos independentemente da plataforma. Podia verificar a actualizar a sua agenda, guardar e editar os seus documentos e ler as suas noticias de várias fontes.

Parece ficção? Parece mesmo? Mas e se lhe disser que não é? Se lhe disser que tal é possível?


»Clique aqui

Ainda em fase experimental e feito um pouco à pressa.

Apesar de este artigo parecer uma brincadeira (desculpem mas não resisti) o ambiente de trabalho que apresento no link pode ser melhorado no entanto reúne já alguns serviços bastante bons. Prometo em breve uma lista completa com vários programas para a mesma função. Até lá visitem este ambiente de trabalho versão 1.0 que em breve terá uma versão 1.5, com tudo o que um ambiente de trabalho tem.


quinta-feira, maio 04, 2006

AJAX - A linguagem da WEB 2.0



Certamente já usaram o gmail e o google calendar? Já viram o novo site da Microsoft [www.live.com]. O mais certo é a resposta ser sim.

Então já se depararam com a possibilidade de editar e de construir o site de forma a ficar o mais personalizado possivel. Por trás dessa pontencialidade está uma nova linguagem intulada de AJAX, o nome vem de uma "mistura" de JavaScript com XML.

Deixo-vos um texto extenso mas completo sobre este nova linguagem:

»Ajax cria a nova geração de aplicativos online

Atende pelo nome de Ajax o que promete ser uma das próximas revoluções da Internet. Trata-se de um conjunto de tecnologias que está sendo utilizado para o desenvolvimento de uma nova geração de aplicativos totalmente baseados na Web. Considere, por exemplo, um editor de textos que dispensa a instalação e pode ser acessado a partir de qualquer computador conectado à Internet.

O recurso não chega a ser uma novidade: alguns de seus componentes - uma sopa de letrinhas que preferimos deixar para o final - já eram compatíveis com o Internet Explorer 4 (a sétima versão do navegador está saindo do forno). Mas os desenvolvedores começaram a olhar com mais carinho para o Ajax desde que o Google lançou o seu moderno sistema de webmail, o Gmail.

A Microsoft também passou a apostar em Ajax: desenvolveu, discretamente, um site com conteúdo que pode ser facilmente personalizado pelo usuário, no endereço www.start.com. Mas são empresas pequenas e desconhecidas - por enquanto - que estão criando os projetos mais interessantes, e mostrando o potencial das aplicações online baseadas em Ajax.

"É um espaço que grita por inovação", disse o presidente da Zimbra, Scott Dietzen, em uma extensa reportagem do portal de tecnologia cNet. A empresa iniciante desenvolve e oferece aplicativos de colaboração em Ajax para o mercado corporativo. "Sem Ajax, não poderímos criar uma experência boa o suficiente para o usuário", declarou Seth Sternberg, co-fundador do Meebo, um serviço online que permite entrar em até quatro sistemas de mensagens instantâneas sem sair do navegador.

Além do Meebo, os internautas encontram, gratuitamente, editores de texto, planilhas de cálculo, agendas, leitores de RSS e outros aplicativos totalmente baseados na Web. A maioria oferece recursos como arrastar e soltar janelas, e salvar documentos, tal como um software instalado no computador. Os serviços dispensariam a instalação de programmas pesados como o Office, da Microsoft, e tornariam possível a adoção dos thin clients, computadores mais enxutos - e baratos - para seram utilizados em redes corporativas.

A sopa de letrinhas

Ajax, na verdade, é a sigla de "Asynchronous Javascript and XML" (algo como "Javascript e XML assíncronos"). Javascript é uma linguagem de programação básica, baseada em Java, capaz de criar pequenos aplicativos para serem rodados no navegador. Extensible Markup Language (XML), em uma descrição leiga, é uma linguagem para formatar dados de forma que eles possam ser lidos por qualquer software. Os "feeds" de notícias em RSS são baseados em XML, por exemplo.

Mas o Ajax não fica somente nesses dois componentes. Também incorpora elementos e variações como:

  • XHTML (Extensible HTML);
  • CSS (Cascade Style Sheets);
  • Document Object Model;
  • XSLT (Extensible Style Sheet Language Transformation);
  • XMLHttpRequest


Agência de Blogs



Dica de SAPO TEK em 20 de Abril de 2006

Trata-se da primeira agência de blogues da rede. O Blogburst foi criado com o objectivo de defender os direitos dos criadores destas páginas pessoais e servir de intermediário entre o criador e os jornais que eventualmente pretendam publicar os conteúdos.

Para já integram a agência 6 mil blogues, mas a prazo é de esperar que a base aumente. O relacionamento entre as partes é simples e espera-se que produtivo.

Os blogues interessados devem inscrever-se na agência que fará uma avaliação prévia dos conteúdos. A lista de domínios validados é apresentada aos jornais interessados que escolhem os que querem usar e por quanto tempo.

» Blogburst
FONTE: SAPO TEK


Voltar a reviver o passado...



Quem é que ainda se lembra de ver o Yahoo! e o Google tal como estão nas imagens? Poucos não é verdade?

A imagem do Yahoo! Reporta-se ao anos de 1996, já a do Google que se não repararam tem um ponto de exclamação [!] é de 1998. São imagens que nos fazem rir agora a quase 10 anos de distância. E são possíveis graça a um site que guarda imagens de sites ao longo dos anos.

Segundo a apresentação dos prórpios:

O Internet Archive Wayback Machine coloca a historia da Wordl Wide Web na ponta dos teus dedos. O arquivo contém mais de 100 terabytes e 10 milhões de páginas arquivadas desde 1996.

Para começar a usar o Wayback Machine e navegar nas páginas como elas eram, basta colocar o URL na caixa de pesquisa, clicar no botão “leva-me ao passado” e começar a explorar o passado da Web.


» Wayback Machine



terça-feira, maio 02, 2006

Publicar video na web



O washingtonpost.comabrir link numa nova janela a 30 de Abril de 2006 publica um artigo intitulado “ Cinco meses depois de ter aparecido You Tubeabrir link numa nova janela é uma estrela”abrir link numa nova janela.

Porque é então o You Tubeabrir link numa nova janela uma estrela? Bem muito simples. Quem percebe um pouco disto sabe a complicação que é colocar um vídeo num blog. É preciso um servidor onde baixar o vídeo (que pelo normal tamanho do ficheiro era complicado arranjar um servidor gratuito). Depois do upload era necessário criar um pulgin de vídeo para depois colar no post. Mais, ao fazer isto o vídeo demorava a carregar e ficava a pesar na página. Ora para quem sabe o que isto era dá valor a simplicidade do You Tubeabrir link numa nova janela, quem não sabe, tem no You Tubeabrir link numa nova janela a única maneira de colocar um vídeo num blog.

Mais uma das grandes vantagens do You Tubeabrir link numa nova janela, os vídeos que colocamos no blog através do deste site não ficam a pesar quando a pagina abre e fazem um streaming rápido e leve. Uma grande vantagem. Os vídeos são pois em formato FLV um formato de compressão e vídeo em streaming do flash que funciona a partir dum leitor também em flash de vídeo FLV. Isto faz que quando abrimos a página temos apenas o leitor e uma imagem. Só quando clicamos no play é que vamos de facto buscar o vídeo em FLV ao servidor onde está alojado.

Sem dúvida que o You Tubeabrir link numa nova janela é o mais conhecido, mas não é o único a oferecer este serviço. A Googleabrir link numa nova janela também o faz e começa a entrar em cada vez mais blogs.

» You Tube abrir link numa nova janela
» Vídeo Google abrir link numa nova janela


segunda-feira, maio 01, 2006

WEB 2.0




A dica vem na DIA D de 1.5.2006 Ano 1 Número 33

"The wisdom of crowds" ou a "Sabedoria das Massas" teve a sua primeira edição em 2004 mas é destaque pela actualidade do tema e por ter sido lançada a sua versão de bolso.
Este livro de James Surowiecki acompanha o movimento que acredita que a internet entrou na sua segunda fase, estando mais voltada para as pessoas. "Sabedoria das Massas" contraria a maxima de que uma pessoa é inteligente muitas são estupidas. Segundo a obra não se deve subestimar o poder e o saber das multidões, especialmente se elas forem compostas por membros de diferentes quadrantes sem um líder "manipulador".

» www.wisdomofcrowds.com abrir link numa nova janela


 
Alguns direitos reservados
» template by João Simão | simaocc on-line ©
simaocc on-line Blogger